Nº 5/2016 – Jan/Mar 2016

Disponível em: http://redece.org/wp-content/uploads/2016/03/BoletimJanMar2016.pdf

BOLETIM DE INFORMES

CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA

REDE BRASILEIRA DE  PROMOÇÃO DE INFORMAÇÃO E  DISPONIBILIZAÇÃO DA CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA

Janeiro a março de 2016

I – Ações de Intervenção e Eventos

- Monitoramento e acompanhamento da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM) e do Plano Nacional de Políticas pra as Mulheres (PNPM). Brasília – DF; Novembro/2015.

RESUMO: Este documento pretende subsidiar gestores dos Organismos de Políticas para as Mulheres em suas atividades de Monitoramento e Acompanhamento da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM) e do Plano Nacional de Políticas para as Mulheres 2013-2015 (PNPM), tendo como referência as prioridades definidas tanto na PNAISM quanto no PNPM (2013-2015).

Disponível em: http://www.spm.gov.br/central-de-conteudos/publicacoes/publicacoes/2015/pnaism_pnpm-versaoweb.pdf

- Guia de Referência Rápida Infecção pelo HIV e AIDS Prevenção, Diagnóstico e Tratamento na Atenção Primária. Versão Profissional, 1º edição, 2015.

RESUMO: Este é um guia de referência rápida que resume as recomendações da Superintendência de Atenção Primária (S/SUBPAV/SAP) para o diagnóstico e manejo na atenção primária da infecção pelo HIV. Ele foi construído em consonância com o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Manejo da Infecção pelo HIV em Adultos, do Ministério da Saúde do Brasil, porém com foco na prática clínica da atenção primária em saúde (APS). O documento representa o posicionamento da S/SUBPAV/SAP e tem a função de orientar a assistência clínica nas unidades de atenção primária na cidade do Rio de Janeiro.

Disponível em: http://www.soperj.org.br/novo/imageBank/guiadereferenciarepidaemhiv_aids_versaoguia_miolo__1_.pdf

- Prevenção de uma potencial transmissão sexual do Zika vírus. Orientações provisórias. World Health Organization. 18 de fevereiro de 2016. [inglês] – Interim guidance.

RESUMO: Faz a orientação internacional para o público, profissionais de saúde e países sobre as orientações de proteção a infecções causadas pelo Zika vírus em situações de práticas sexuais, incluindo a orientação de uso da contracepção de emergência.

Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/204421/1/WHO_ZIKV_MOC_16.1_eng.pdf?ua=1

  • REDE CE  – organiza livro sobre Panorama da Contracepção de Emergência no Brasil

RESUMO: A Rede Brasileira de Promoção de Informações e Disponibilização da Contracepção de Emergência está organizando uma publicação sobre o panorama da oferta da contracepção de emergência no Brasil, em parceria com a Escola de Enfermagem da USP e o Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. O lançamento está previsto para o 2º semestre de 2016.

Disponível em: http://redece.org/

- A Contracepção de Emergência. Organización Mundial de laSalud. Feb 2016.

RESUMO: As recomendações da OMS para a gestão da contracepção de emergência, é para todas as meninas e mulheres em risco de ter uma gravidez indesejada tenham direito a contracepção de emergência e esses métodos devem ser integradas em todos os programas nacionais de planejamento familiar. Em adição, a contracepção de emergência deve ser integrada nos serviços cuidados de saúde prestados às populações em maior risco de ter relações sexuais desprotegidas, incluindo cuidados para vítimas de estupro e mulheres e meninas que vivem em situações de emergência ou de ajuda humanitária.

Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs244/es/

II – Artigos e Livros

- Barreira IMB, Rodrigues VMCP, Antunes MCQ. Cultura organizacional da família como preditor das atitudes e comportamentos sexuais em adolescentes. Rev. Enf. Ref. Coimbra, Setembro 2015, 6(4):1-10.

RESUMO:Este estudo teve como objetivo analisar o efeito preditor da cultura organizacional da família nas atitudes e comportamentos sexuais dos adolescentes do 9º ano. Este estudo realça a importância da implementação de programas e projetos em meio escolar no âmbito da sexualidade, envolvendo não só os adolescentes, mas também as suas famílias, como elemento essencial na promoção de atitudes e comportamentos sexuais saudáveis.

Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?pid=S0874-02832015000600003&script=sci_arttext&tlng=pt

- Menegon KM, Souza ML, Torres  IEF, Souza ACRH. Homicídio resultante de violência contra a mulher: uma revisão integrativa. Revista Uruguaya de Enfermería (RUE) Novembro 2015, 2 (10): 24 – 43.

RESUMO: Através do uso dos descritores violência contra a mulher e homicídio de mulher, o artigo levanta nas bases de dados caracteriza e analisa artigos científicos produzidos sobre violência doméstica e homicídio no período de 2007 a 2012, foi desenvolvida uma revisão integrativa da literatura produzida sobre violência doméstica —  fenômeno de saúde pública devido a seus impactos letais e não letais.

Disponível em: http://rue.fenf.edu.uy/rue/index.php/rue/article/viewFile/165/162

- Caetano J, Dutra K, Montanha MMC, Resin S, Colombo LC, Silva CHB. Perfil do uso de Método Contraceptivo de Emergência por usuárias frequentadoras de uma farmácia do Município de Criciúma-SC. Estudos e Experiências em Saúde Educação e promoção de saúde. Centro Universitário Barriga Verde – UNIBAVE . Anais VI Seminário de Ensino, Pesquisa e Extensão – SENPEX . Pag.38-43, 2015.

RESUMO: O estudo analisa o perfil de usuárias que buscam a contracepção de emergência, entre as frequentadoras de uma farmácia de Criciúma – SC. Observou-se que são mulheres jovens, com maioridade, não são adeptas do uso de preservativo e com certo despreparo para o uso da medicação emergencial.

Disponível em: http://periodicos.unibave.net/index.php/VISenpex/article/viewFile/10/5#page=38

- Borges ALV, Fujimoro E, Kuschnir MCC, Chofakian CBN, Moraes AJP, Azevedo GD, Santos KF, Vasconcellos MTL. ERICA: início da vida sexual e contracepção em adolescentes brasileiros. Rev. Saúde Pública. São Paulo. Epub 23 Feb 2016, 1(50): 1-11.

RESUMO: O artigo estima prevalências de iniciação sexual e uso de métodos contraceptivos na última relação sexual de adolescentes brasileiros, segundo características sociodemográficas. A análise dos dados sobre sexualidade e contracepção do ERICA mostra que há heterogeneidades nas prevalências de iniciação sexual e uso de métodos contraceptivos entre os adolescentes brasileiros, a depender de sua idade, de onde vivem e do tipo de escola que frequentam. Adolescentes mais novos e residentes na região Norte parecem ser os mais vulneráveis às consequências das práticas sexuais não protegidas.

Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v50s1/pt_0034-8910-rsp-S01518-87872016050006686.pdf

- Villela WV, Barbosa RM. Prevenção da transmissão heterossexual do HIV entre mulheres: é possível pensar estratégias sem considerar suas demandas reprodutivas?. Rev. Bras. Epidemiol.  2015, 1(18):1-12.

RESUMO: O artigo discute a prevenção da transmissão heterossexual do HIV entre mulheres. A análise dos casos notificados de AIDS mostra que, para ambos os sexos, a epidemia se concentra em adultos jovens, na sua maioria brancos e pardos; as mulheres são mais empobrecidas e menos escolarizadas que os homens, havendo uma sobremortalidade de mulheres negras em relação aos demais segmentos populacionais

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1415-790X2015000500131&script=sci_arttext&tlng=pt

- Rocha AKL. O jogo pedagógico como instrumento para educação sexual de facilitadores e estudantes jovens: análise do material “ em seu lugar”. Universidade Estadual |Paulista “Julio de Mesquita Filho” Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara – SP. Dissertação de Mestrado, 1-166, 2015.

RESUMO: O artigo relata a pesquisa qualitativa-descritiva que analisou o jogo “Em seu lugar – Um jogo para profissionais que trabalham com adolescentes e jovens”, distribuído em 2013 pelo governo estadual de São Paulo nas escolas públicas, visando a educação sexual. O material apresenta historias que tratam dos temas: aids/HIV, violência de gênero, abuso sexual, paternidade, homossexualidade, aborto.

Disponível em: http://wwws.fclar.unesp.br/agenda-pos/educacao_sexual/3648.pdf

- Amaral GD, Leite T, Cardoso EAM, Freire SC. Revisão de Literatura sobre o conhecimento dos contraceptivos de rotina e o uso dos Contraceptivos de Emergência por mulheres em idade reprodutiva. XVIII Encontro Latino Americano de Iniciação Científica, XIV Encontro Latino Americano de Pós Graduação e IV Encontro de Iniciação à Docência – Universidade do Vale do Paraíba. 1-5, 2015.

RESUMO: Por meio de revisão de literatura nas bases Scielo, Google Acadêmico e Bireme, o trabalho levanta e analisa dados e avaliar o conhecimento de métodos contraceptivos de rotina e da contracepção de emergência por mulheres em idade reprodutiva. Foi constatado considerável nível de conhecimento em ambos os sexos sobre ambos, porém observa-se falta de informações corretas quanto a ação farmacológica, forma de utilização, segurança e eficácia dos métodos.

Disponível em: http://biblioteca.univap.br/dados/000006/00000607.pdf

- Souza HK, Amorim IFG, Tiradentes DS, Curto HN Souza MO, Braga IPCM, Ataíde RB.  Abordagens acerca do Dispositivo Intrauterino como método Contraceptivo de Emergência. Revista Eletrônica Parlatorium. FAMINAS-BH  Faculdade de Minas, 36-45, 2015.

RESUMO: O trabalho avalia a utilização e a eficácia do Dispositivo Intra-uterino (DIU) como método contraceptivo de emergência, por meio de revisão de literatura. Aponta que há elevada eficácia do DIU como contraceptivo de emergência até mesmo quando comparado à pílula do dia seguinte, se utilizado até 72 horas do coito realizado sem proteção.

Disponível em: http://www.faminasbh.edu.br/upload/revista_parlatorium_9_com_adendo_especial.pdf#page=36

- Gonzaga P,  Aras L. Mulheres Latino-Americanas e a Luta por Direitos Reprodutivos: o panorama da conjuntura política e legal do aborto nos países da América Latina.  Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, 2015 2(9):1-32.

RESUMO: O artigo analisa a conjuntura política da América Latina no que tange aos avanços e retrocessos no campo dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, sob à ótima da descriminalização do aborto. Destaca-se os discursos que atuam para a manutenção da criminalização do aborto e os que defendem sua descriminalização e legalização.

Disponível em: http://www.gestaoesaude.unb.br/index.php/repam/article/viewFile/16212/12287

- Fonseca ACN, Gomes AT, Barreto JG. Distribuição de anticoncepcionais em uma farmácia básica no Município de São José do Calçado – ES. Acta BiomedicaBrasiliensia. 2015, 1(6):1-11.

RESUMO: Este estudo avaliou o perfil das usuárias do Programa Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM) no município de São José do Calçado – ES, utilizando uma amostra de 30 usuárias dos serviço de saúde do município, durante maio de 2014. Através das variáveis idade, renda familiar, escolaridade, utilização de anticoncepcionais dispensados na farmácia básica, indicação, efeitos adversos, tempo de uso e informações recebidas, concluiu-se que o serviço de saúde não vem esclarecendo as mulheres sobre os métodos contraceptivos, sendo necessário que os profissionais de saúde da atenção básica passem a implementar ações de educação em saúde, a fim de oferecer informações sobre planejamento familiar e sobre o uso correto dos anticoncepcionais.

Disponível em: http://actabiomedica.com.br/index.php/acta/article/viewFile/107/80

- Consideraciones provisionales para la atención de mujeres gestantes en escenarios con alta circulación del virus Zika: documento destinado a profesionales de salud. Organización Panamericana de la Salud/Organización Mundial de la Salud, Fevereiro de 2016, 1-20.

RESUMO: Com a preocupaçãoem torno do Zikavírus, o estudo relata a importância da informação sobre métodos contraceptivos para evitar umapossível gravidez, já que o vírus esta relacionado com a microcefalia nos neonatos. Para as gestantes, o acompanhamentopré-natal realizando todos os examesnecessários, para que o profissionalpossa se atentar aossinais de aparecimento da doença, orientando o uso de repelente e roupascompridas para prevenção.

Disponívelem: http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=33304&Itemid=270&lang=es

- Oliveira AP. A eficácia da Lei Maria da Penha no combate à violência doméstica contra a mulher. Monografia, Universidade de Santa Cruz do Sul, UNISC, Novembro 2015, 3-71.

RESUMO: Analisa-se a discussão da Lei Maria da Penha no contexto acadêmico, diante da realidade social no cotidiano da sociedade contemporânea, considerando a discussão sobre as políticas públicas de prevenção à violência doméstica, a assistência à vítima, ao agressor e seus dependentes.

Disponível em: http://repositorio.unisc.br/jspui/bitstream/11624/851/1/Andressa%20Porto%20de%20Oliveira.pdf

- Pinheiro MS, Sampaio A. Grau de conhecimento dos acadêmicos de enfermagem sobre anticoncepção por via oral de Emergência. Curso de Bacharel em Enfermagem das Faculdades Icesp Promove de Brasília, 1-10, 2016.

RESUMO: Objetivo: Avaliar o grau de conhecimento dos acadêmicos de enfermagem sobre a anticoncepção por via oral de emergência. Justificativa: A disponibilidade da contracepção de emergência ao público geral via farmácias e, recentemente, em unidades básicas de saúde, vêm despertando alguns receios por parte de profissionais que atuam com mulheres, principalmente com jovens e adolescentes, relativos à possibilidade de uso abusivo deste método e suas implicações, por isso faz necessário conhecer o grau de conhecimento referente o tema.

Disponível em: http://nippromove.hospedagemdesites.ws/anais_simposio/arquivos_up/documentos/artigos/a9e70fc80676b687635c2f08919f6c70.pdf

- Silva RS, Fusco CLB. Comportamento do aborto induzido entre jovens em situação de pobreza de ambos os sexos – Favela México 70, São Paulo, Brasil, 2013. Departamento de Medicina Preventiva, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP, Brasil. Reprodução & Climatério 2016; 1-9.

RESUMO: O estudo analisa o papel do aborto induzido no comportamento reprodutivo de jovens da favela México 70, comparando com inquerito realizado na fabelaInajar de Souza, em 2007. Os achados apontam a baixa prevalência de mulheres com aborto induzido e uma alta taxa de recorrência à contracepção de emergência.

Disponível em:http://ac.els-cdn.com/S1413208715000771/1-s2.0-S1413208715000771-main.pdf?_tid=b8646782-d0dc-11e5-aa08-00000aacb360&acdnat=1455208391_b54a70629869d07c2e249b1cf91168b6

- Chofakian CBN, Borges ALV, Sato APS, Alencar GP, Santos OAS, Fujimori E. O conhecimento da contracepção de emergência afeta seu uso entre adolescentes do Ensino Médio do Brasil?. Cad. Saúde Pública [online]. 2016, 1(32):1-11.

RESUMO:O objetivo do trabalho foi testar como o conhecimento da anticoncepção de emergência, na presença da idade de iniciação sexual, tipo de escola e conhecer alguém que já usou a anticoncepção de emergência, influencia no uso deste método. Concluiu-se que o conhecimento em torno CE não mostraram qualquer efeito direto ou indireto significativo sobre a sua utilização. Porque o conhecimento CE não teve efeito estatístico sobre o uso de CE da população, foi concluído que adolescentes do ensino médio estam usando o método independentemente do seu bom ou mau conhecimento sobre o assunto. A razão pode ser que eles tem a informação de que necessitam, tais como onde acessar a medicação, se ele trabalhou para alguém na prevenção de uma gravidez, e até mesmo seus efeitos colaterais.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2016000100703&script=sci_arttext

- Maia SRT. Práticas educativas sobre planejamento familiar com jovens: Contribuições do enfermeiro por meio de uma web rádio. Dissertação de Mestrado em Cuidados Clínicos em Enfermagem e Saúde da Universidade Estadual do Ceará. 1-103, 2015.

RESUMO: A dissertação aborda a importância do uso Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs) na prática clínica do enfermeiro, demonstrando que essas ferramentas podem ser utilizadas como meio de promoção de saúde e cuidado, por meio da educação em saúde, em diversas problemáticas que afetam as juventudes em seu cotidiano, como a ocorrência de gravidez na adolescência.

Disponível em: http://www.uece.br/cmacclis/dmdocuments/samuel.pdf

- Omer SB, Beigi RH. Gravidez na Hora do Zika: Enfrentando as barreiras para o desenvolvimento de vacinas e outras medidas para Gestantes. JAMA – The Journal of the American Medical Association. Pub 24 Feb, 2016.

RESUMO: Existem lacunas de conhecimento substancial na compreensão atual da Zika, independentemente da população afetada. No entanto, Zika associada a resultados adversos fetais requer que as mulheres grávidas sejam um grupo prioritário para o desenvolvimento e avaliação de vacinas e outras medidas. Existem várias barreiras científicas e estruturais atuais para o desenvolvimento de vacinas para as mulheres grávidas. Estas barreiras desafiam a capacidade de preparar e responder a epidemias, e são particularmente destacadas durante uma emergência de saúde pública, que tem as mulheres grávidas e seus fetos como a população afetada.

Disponível em: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleID=2498484&utm_source=Silverchair%20Information%20Systems&utm_medium=email&utm_campaign=JAMA%3AOnlineFirst02%2F24%2F2016

- Julie A. Jacob, MA. Pesquisadores se concentramem resolver o Zika. JAMA – The Journal of the American Medical Association. Pub 24 Feb, 2016.

RESUMO: Dada a magnitude do surto, a corrida é para desenvolver uma vacina. A equipe de pesquisadores está investigando uma maneira de fazer alterações genéticas específicas para desativar a capacidade do vírus “para iludir o sistema imunológico”. A questão mais preocupante na comunidade de pesquisa é saber se os investigadores serão capazes de resolver os enigmas do Zika a tempo de conter infecções.

Disponível em: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleID=2498483&utm_source=Silverchair%20Information%20Systems&utm_medium=email&utm_campaign=JAMA%3AOnlineFirst02%2F24%2F2016

III – Notícias na Imprensa

- 57% das pessoas com HIV no mundo ainda não recebem o tratamento. EL PAÍS, 01/12/2015.

RESUMO: Frente aos mais de 50% dos afetados pela aids, calculados pela UNAIDS como necessitados de medicação, os critérios da Oms – Organização Mundial de Saúde foram alterados em 2015, estabelecendo que não é preciso mais tratar com medicação a partir de determinada deterioração do sistema imunitário destruído pelo HIV. Essa mudanças apresenta agora evidência científica de seu sucesso, demonstrando que o tratamento precoce de infectados pelo HIV que evita a deterioração do sistema imunitário é vantajoso frente aos possíveis efeitos secundários dos medicamentos.

Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2015/12/01/internacional/1448978068_532409.html

- MPF Pede Proibição da Vacina Contra HPV em Todo o País. Saúde Curiosa, 17/12/15.

RESUMO: O Ministério Público Federal ajuizou ação civil pública pedindo que a Justiça Federal proíba a rede pública de Saúde de aplicar a vacina contra o HPV em todo o território nacional e obrigue a nulidade de todos os atos normativos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que autorizaram a importação, produção, distribuição e comercialização da vacina no país.

Disponível em: http://www.saudecuriosa.com.br/mpf-pede-proibicao-da-vacina-contra-hpv-em-todo-o-pais/

- Juiz defende direito a aborto em casos de microcefalia com risco comprovado de morte. BBC Brasil, 26/01/2016.

RESUMO:O juiz goiano Jesseir Coelho de Alcântara, que autorizou uma série de abortos legais em casos de anencefalia e outras doenças raras, disse que a interrupção da gravidez em casos de microcefalia com previsão médica de morte do bebê é “válida” e precisa ser avaliada “caso a caso”.

Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160121_microcefalia_aborto_zika_rs

- Microcefalia reabre discussão sobre aborto no Brasil. BBC Brasil, 31/01/2016.

RESUMO: A ativista Debora Diniz disse estar preparando uma ação para pedir que o Supremo Tribunal Federal autorize o aborto em gestações de bebês com microcefalia, que vêm sendo associadas ao zika vírus.

Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160131_entenda_aborto_microcefalia_ss_lab

- Ministro da Saúde defende lei contra o aborto, que exclui microcefalia. Folha de São Paulo, 09/02/2016.

RESUMO: O ministro da Saúde Marcelo Castro relembrou que o aborto legal não é permitido no Brasil para casos de microcefalia, por isso pede à população empenho para combater o mosquito aedesaegypti, transmissor da doença.

Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/02/1738148-ministro-da-saude-defende-lei-contra-o-aborto-que-exclui-casos-de-microcefalia.shtml

- BoletimJanMar2016BoletimJanMar2016Apoio crescente entre os peritos do Zika aconselham adiar a gravidez. Global Heath, 05/02/2016.

RESUMO: Autoridades de saúde em diversos países atingidos pelo vírus Zika deram as suas cidadãs um alerta sem precedentes: “. Não engravidar“. Mas este alerta não se aplica, já que a contracepção pode ser difícil de obter e o aborto é muitas vezes ilegal.

Disponível em:http://www.nytimes.com/2016/02/09/health/zika-virus-women-pregnancy.html

[top]